David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Posts Tagged ‘Golpe de 1964

Há diferenças entre viver na época da ditadura e entendê-la enquanto poder político

leave a comment »

Analfabetismo no Brasil da década de 1960 chegava a 60 e até 70% em muitos estados

Góes Monteiro, general que inspirou a Ditadura Militar no Brasil (Foto: Divulgação)

Góes Monteiro, general que inspirou a Ditadura Militar no Brasil (Foto: Divulgação)

Me sinto deslocado lendo tantos comentários que enaltecem a ditadura militar em páginas de notícias. “Meu pai, minha mãe, meu avô, minha avó, meu tio, minha tia e tantos outros contam que só apanhava na época da ditadura quem era bandido”, dizem muitos.

Francamente? Todo mundo tem alguém na família que diz isso e não é algo que me surpreenda porque interpreto de uma forma completamente diferente. Eles não reclamavam e ainda não reclamam da ditadura porque na realidade não se importavam muito com os rumos da política brasileira. Também gozavam de pouco entendimento sobre as responsabilidades de se viver em sociedade.

O individualismo naquela época já era uma coisa aberrante e foi exatamente isso que fez com que a ditadura perdurasse por 21 anos no Brasil. Ademais, tinha uma face sombria e uma néscia. A sombria era encampada por aqueles que se beneficiavam do sistema político vigente e a néscia era a dos menos instruídos ou incultos que tinham linha de raciocínio azêmola e solene, e por assim dizer até macabra de que “se o governo não me incomoda, tudo está perfeito, mesmo que pessoas morram à minha volta”.

A verdade que vejo pouca gente divulgando nos debates sobre o assunto é que nos tempos da DITADURA MILITAR havia uma grande massa de pessoas que não se importavam realmente com a democracia ou a liberdade de expressão. Muitos nem sabiam o significado dessas palavras, o que é aceitável, levando em conta que o analfabetismo no Brasil da década de 1960 chegava a 60 e até 70% em muitos estados, segundo o IBGE.

Por isso grande parcela da população brasileira da atualidade não teve e não tem familiar que foi perseguido nessa época, o que é muito normal, levando em conta que quando a ditadura chegou ao fim o Brasil contava com mais de 136 milhões de pessoas. E tudo isso pode ser usado para reforçar o discurso falseado de que só os “piores cidadãos” eram perseguidos pelos militares. A mim isso significa algo bem simples. O que veio depois não foi graças ao esforço da maioria, o que na minha modesta opinião endossa mais ainda as histórias de luta de quem seguiu na contramão da obviedade.

Pondero que ter vivido na época da ditadura e tê-la compreendido na essência são coisas completamente diferentes. Conheço muitos idosos que a enaltecem, inclusive da minha família, mas esses não desempenhavam atividades intelectuais, culturais, artísticas ou econômicas que pudessem ser cerceadas. Sendo assim, considero no mínimo incoerente citar um familiar que pouco ou nada contribuiu para os rumos da democracia no Brasil, mesmo que não exercida na sua plena funcionalidade.

Em Paranavaí, no Noroeste do Paraná, tivemos até obras musicais e poemas censurados no Festival de Música e Poesia de Paranavaí (Femup), principalmente nas décadas de 1960 e 1970, porque o Dopes suspeitou que havia conteúdo subversivo nos trabalhos enviados, o que não era verdade. E são pessoas que qualificam a ditadura militar como revolução que falam mal de ditadores. Ou seja, um entranhado e estrambólico paradoxo.

Além disso, acredito que embora o Golpe de 1964 tenha sido colocado em prática como uma promessa de transformar o Brasil em um país do futuro, o que ele fez foi instituir uma retrógrada forma de colonialismo baseada em relações de trabalho fundamentadas no barateamento e precarização da mão de obra, o que já acontecia na Europa e nos Estados Unidos na década de 1920.

Ou seja, inspirados na velha Doutrina Góes Monteiro, da Era Vargas, os generais fizeram com que o Brasil evoluísse sim em industrialização, não tenho dúvida disso, mas um progresso que a exemplo de outras versões beneficiou a menor parcela de brasileiros.

O papel dos Estados Unidos no golpe de 1964

leave a comment »

Documentário mostra o papel dos Estados Unidos no Golpe de Estado de 1964 (Imagem: Divulgação)

Documentário mostra o papel dos Estados Unidos no Golpe de Estado de 1964 (Imagem: Divulgação)

Dias atrás, revi o documentário “O dia que durou 21 anos”, do Camilo Galli Tavares, lançado em 2013. Recomendo para quem quer entender até onde foi o papel dos Estados Unidos no Golpe de Estado de 1964, culminando na Ditadura Militar. São três capítulos divididos em “A Conspiração”, “O Golpe de Estado” e “O Escolhido”. O que ajuda a enriquecer o documentário são os arquivos secretos com conversas e depoimentos de John Kennedy, Lyndon Johnson (que assumiu o poder após a morte de Kennedy) e do embaixador Lincoln Gordon, principal financiador do golpe através da Operação Brother Sam.

Muito interessante a forma como as entrevistas são apresentadas. Há depoimentos de apoiadores de João Goulart, de generais que participaram da deposição do presidente e também de pesquisadores de universidades do Brasil e dos Estados Unidos, além de profissionais que trabalham no Departamento de Arquivo Secretos do Governo dos EUA. Achei intrigante a sinceridade de um general após ser questionado sobre como seria se a Ditadura Militar começasse hoje. Ele sorri e responde simplesmente que não precisariam torturar nem matar ninguém, já que vivemos na era da guerra da informação.

Curiosa também a ingenuidade do responsável pelo Arquivo Secreto dos Estados Unidos ao dizer que até hoje não conseguiu entender como os brasileiros levaram 21 anos para se livrarem do Regime Militar. O que o entrevistado não sabe é que até os anos 1960 o analfabetismo no Brasil chegava a 60 e até 70% em muitos estados.

Saiba Mais

O documentário está disponível integralmente no YouTube.