David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Archive for the ‘Reflexões’ Category

Aristóteles e sua contribuição à negação dos direitos animais

leave a comment »

aristoteles_420

Em relação aos animais, Aristóteles se precipitou e contribuiu negativamente

O interesse de Aristóteles pela questão animal difere substancialmente do interesse de seus discípulos, como Teofrasto, que reconheceu o direito à vida animal.

O caso de Aristóteles contra a racionalidade animal tinha apenas intenções parcialmente científicas, sem ponderar sobre as consequências morais de seus argumentos.

E foi exatamente essa negação aristotélica que formou parte da base da atitude cristã ocidental em relação aos animais como criaturas que poderiam ser privadas de justiça e da própria existência, e mais – que poderiam ser usadas como o ser humano bem entendesse.

Também foi esse caminho trilhado por Aristóteles, sem antever o futuro, que impediu que teorias filosóficas mais empáticas aos animais, como as de Pitágoras, Teofrasto, Plutarco e Porfírio fossem lançadas à luz, não à escuridão.

Assim não é equivocado dizer que a nossa consciência antropocêntrica que persiste ainda hoje é uma consciência de influência aristotélica.

Written by David Arioch

março 17, 2017 at 12:52 am

Morrer como se jamais tivesse existido

leave a comment »

jorge-luis-borges-by-diane-arbus1968

Mais do que um escritor, Borges foi um enigma literário 

O escritor argentino Jorge Luis Borges  dizia que, quando chegasse a sua hora, gostaria de morrer como se jamais tivesse existido, existe poesia nisso; claro, talvez não para todo mundo ou especialmente para aqueles que ignoram a finitude. Quando Borges falou isso, pensei na questão do desapego, da construção de legados, dos tributos e de tudo aquilo que fazemos para nós, não para os que se foram.

Muitos se incomodam com a ideia de pessoas que não vivem para construir nada pomposo ou tangível, a não ser elas mesmas e algo em torno daqueles com quem se comunicam no decorrer da vida. Ainda somos ignorantes ao ponto de acharmos que todos querem viver como nós, que todos querem criar laços ou viver e morrer como se fossem muito maiores do que realmente eram.

Há quem se assuste com a ideia de pessoas que ao longo da vida se comunicam de forma profunda, mas fortuita e transitória com os outros, sem criar vínculos concretos, complexos ou objetivos. Apenas existem sem se preocupar em definir coisa alguma. O que não deveria ser visto como aberrante, já que não fomos feitos em série.

Nem todos querem deixar algum legado, assim como nem todos buscam fazer algo pelo que ser lembrado. Há aqueles que querem apenas viver para algo que parece mínimo a tanta gente, mas que dê algum sentido ao existir. Nem todo mundo quer fazer planos de curto, médio ou longo prazo. Tem gente que prefere cultivar apenas a própria consciência, uma consciência que também pode reverberar a possibilidade de que o fim pode ser hoje ou amanhã.

Written by David Arioch

março 5, 2017 at 7:56 pm

Sobre o comportamento na internet

leave a comment »

bullying_logo

Foto: PMCV

Tem muita gente com quem mantenho contato pela internet e que conheço pessoalmente. Não é raro eu ver pessoas classificando algumas delas como agressivas ou como diferentes do que realmente são.

Isso acontece porque às vezes, ou mais do que isso, as pessoas podem ser muito passionais e veem na internet uma forma de expor suas insatisfações. Portanto, podem transmitir alguma impressão negativa, o que não significa que sejam basicamente isso.

Tem muita gente na internet que se expressa de uma maneira vista como visceral, dando margem para interpretações não tão boas ou acalentadoras, mas isso não significa que não sejam pessoas boas ou que não tenham qualidades. A forma como escrevemos algo diz muito, mas não tudo, só que é algo que pode clarear ou escurecer posicionamentos.

Em síntese, conheço pessoas de longa data que são gentis pessoalmente, mas que parecem outra coisa para quem as conhece somente pela internet.

Written by David Arioch

março 5, 2017 at 7:54 pm

Breve reflexão sobre a exploração

leave a comment »

file_20_10

Arte: Joker Syndicate

Mesmo analisando superficialmente a vida e o mundo, não é difícil perceber que quase tudo envolve algum tipo de exploração. E se comento sobre isso com as pessoas, muitos dirão que “a vida é assim e que devemos aceitar isso”. Não vejo como pode ser saudável ou justo aceitar tantas mazelas usando o pretexto de que são coisas que estão fora do nosso controle.

A impressão que esse tipo de raciocínio me transmite é que para “vivermos bem”, na concepção de muita gente, devemos ignorar as desgraças do mundo e nos limitarmos a nós mesmos. Ou seja, devemos ser individualistas, buscarmos o melhor somente para nós, e fecharmos os olhos para a realidade, cultivando uma ilusão que nada mais é do que um microcosmo da nossa própria ignorância.

Written by David Arioch

março 1, 2017 at 11:51 pm

A inesperada implicação da discordância

leave a comment »

Uma moça me adicionou em uma rede social há algum tempo por causa dos meus textos. A princípio, ela elogiou bastante o meu trabalho. Fico grato, mas nunca acho que o que faço é grande coisa, e gosto de deixar claro isso. Porém, tivemos uma discordância em uma publicação minha e ela me bloqueou.

Não foi a primeira vez que passei por isso, e pensando um pouco nessa questão da idealização humana, esse exemplo me veio à mente porque acho estranho como somos capazes de radicalizar por tão pouco, e como a consideração que temos pelo outro pode acabar simplesmente porque não concordamos em alguma coisa. É muito estranho.

A situação parece mais triste ainda quando alguém é julgado copiosamente porque o outro não age da maneira como ele gostaria que agisse. Me esforço para sair de mim mesmo e tentar evitar isso, até porque não conheço direito nem a mim mesmo, imagine então que conhecimento profundo eu tenho sobre os outros.

Written by David Arioch

fevereiro 27, 2017 at 9:30 pm

Sobre pais que matam animais

leave a comment »

Pais que matam animais ensinam aos filhos que nem todos merecem viver. E que quando crescerem eles também poderão tirar a vida de outros animais. E assim, crianças crescem acreditando em superioridade e que não há nada de errado em matar.

Written by David Arioch

fevereiro 22, 2017 at 12:20 am

Youtuber e animais encaixotados

leave a comment »

Um YouTuber faz um relato do seu desespero ao ficar 24 horas dentro de uma caixa enviada por uma transportadora. Ok. Agora imagine aqueles animais criados para exploração e consumo humano que passam por isso a maior parte de suas vidas. O ser humano só considera aberrante certas experiências quando se compara aos da mesma espécie, ignorando que há animais não humanos que passam a vida toda encaixotados.

Written by David Arioch

fevereiro 22, 2017 at 12:18 am