David Arioch – Jornalismo Cultural

Jornalismo Cultural

Três Morrinhos: dos índios aos esportistas

with 5 comments

O Morro Três Irmãos, que serve de ponto aos amantes do vôo livre, já foi cenário de importantes acontecimentos envolvendo a civilização indígena   

Morro Três Irmãos décadas atrás, em uma época de crendices místicas (Crédito: Wilmar Santin)

Via lateral ao Morro Três Irmãos décadas atrás, em uma época de crendices (Crédito: Wilmar Santin)

 

 Com uma geomorfologia que ultrapassa milhares de anos, o Morro Três Irmãos, em Terra Rica, é o ponto mais alto do extremo norte do Paraná. Além do atrativo turístico, surpreende também pelos fatos, mitos e lendas relatados por quem, de forma abnegada, se dedica a perpetuar a história da própria terra.    

Na microrregião de Paranavaí, é raro encontrar alguém que nunca tenha ouvido falar do Morro Três Irmãos, mais conhecido como “Três Morrinhos”. Com 190 metros de altura, o pico desponta como o ponto turístico mais importante de Terra Rica. Nem poderia ser diferente, já que desde 1985 sedia campeonatos de vôo livre com participantes do Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Argentina, Paraguai e Bolívia.

O fato dos “Três Morrinhos” existirem em uma região totalmente plana, por si só, já desperta curiosidade em quem visita o ponto pela primeira vez. “É um extra na paisagem. Desde criança isso já me chamava atenção”, afirma o pesquisador Edson Paulo Calírio, que na infância passava horas observando no horizonte, a uma altitude de 640 metros, a imponência hipnotizante da natureza.

Três Morrinhos: misterioso relevo em uma região de planícies (Crédito: Cláudia Lanziani)

Misterioso relevo em uma região de planícies (Crédito: Cláudia Lanziani)

 

Motivado em conhecer mais sobre a história de Terra Rica e das belezas naturais que a circundam, Edson Paulo Calírio pesquisou sobre o assunto. Entre as surpresas, a descoberta de que o “Morro Três Irmãos”, antes de ser patrimônio do Paraná e até mesmo do Brasil, pertenceu ao Paraguai. Fazia parte de um dos mais valorizados pontos turísticos do Estado de Guairá.

À época, a região era habitada por índios guaranis catequizados pelos espanhóis. Segundo Calírio, a situação ficou tensa quando os portugueses chegaram ao local. Houve um grande confronto e, vitoriosos, os lusos expulsaram os espanhóis.  

A justificativa para milhares de índios vivendo em torno dos Três Morrinhos era o fácil acesso aos recursos necessários à subsistência, além da privilegiada perspectiva do Pontal do Paranapanema. “Aqui servia como um ponto de referência para eles. O município de Terra Rica é rico em rios, então podemos perceber o privilégio do qual eles quiseram desfrutar”, enfatiza o pesquisador apontando, de cima do primeiro morro, as correntes fluviais mais próximas.

Apesar da falta de bibliografia, e partindo de uma experiência empírica, ou relativamente in loco, moradores de Terra Rica, há algumas décadas, tiveram os primeiros contatos com materiais que confirmam a presença espanhola e indígena na área.

O pai de Edson Calírio, por exemplo, encontrou, às margens do Rio Paranapanema, uma espada que, posteriormente, enviada para análise em São Paulo, constatou-se ter pertencido a um espanhol. “Ele não sabia do que se tratava na época. Pensou que fosse um facão ou algo do tipo. Curioso, eu decidi buscar mais informações. Então descobrirmos a verdade”, assinala o pesquisador.

 

 

 

Estrutura rochosa impede definhamento

Sobre o passado, uma prova que ratifica a existência de índios no Morro Três Irmãos, em Terra Rica, é uma machadinha encontrada pelo pesquisador Edson Paulo Calírio. A arma, feita a partir de uma rocha, é relativamente arredondada e possui um corte lateral. “É bem provável que tenha sido utilizada em batalhas. Aqui mesmo do alto deste morro”, avalia o pesquisador Edson Paulo Calírio.

Formação rochosa existe há milhares de anos

Formação rochosa existe há milhares de anos (Crédito: Prefeitura de Terra Rica)

 

Naquele tempo, era uma prática indígena comum a de conceber armas a partir de rochas. A justificativa são os três morros que existem justamente em função desse mineral tão abundante. “Aqui temos apenas rocha matriz do arenito Caiuá, e todas têm aproximadamente cinco mil anos. É muito resistente. Você percebe que o relevo se desgastou, mas não os Três Morrinhos que são formados por esse material rochoso”, completa.

 

 

 

História X Lenda

Com o passar dos anos, moradores locais despertaram para o interesse de conhecer de perto os Três Morrinhos. A vontade, então, tinha de ser impulsionada por uma vigorosa resistência física, já que era necessário pensar nas adversidades envolvendo a fauna e a flora local. “Antigamente tinha que subir isso aqui passando pela mata. O povo sofria muito porque não havia nenhum caminho delimitado”, conta o pesquisador Edson Paulo Calírio.  

 

Caverna do Sol Nascente: contraste de estória e realidade (Crédito: Prefeitura de Terra Rica)

Caverna do Sol Nascente: contraste de estória e realidade (Crédito: Prefeitura de Terra Rica)

Junto a oportunidade de conhecer o Morro Três Irmãos, vieram histórias que contrastam com as lendas. De acordo com o pesquisador, houve uma época, há 50 anos, em que muitos capangas eram designados por grileiros a roubarem terras nas imediações.  “Temos uma senhora de Terra Rica que quando era criança o tio dela lhe contou que matou um homem e colocou o corpo dele dentro de uma caverna no terceiro morro”, afirma Calírio.

Outra história digna de conto é relatada com certa freqüência pelos primeiros moradores de Terra Rica. Esta versa sobre o aparecimento noturno de uma luz nas imediações do morro. Segundo os pioneiros, a pequena luminosidade seguia as pessoas.    

 

 

 

Um dos melhores pontos do Paraná

 

No início da década de 1980, a construção de um pequeno caminho cimentado, dando acesso aos Três Morrinhos, foi determinante para atrair centenas de praticantes de vôo livre. O fato dos Três Morrinhos se situar em uma região plana foi vinculado a grande probabilidade de mínimos riscos durante o salto.

Em 1985, quando o primeiro campeonato de vôo livre foi realizado em Terra Rica, pouco tempo depois, a cidade se tornou parada obrigatória para os amantes do esporte radical. Foram sete anos consecutivos como sede do Campeonato Brasileiro e Paranaense. 

Todos esses eventos, aliados a condição topográfica, tiveram grande  importância para que o Morro Três Irmãos, de acordo com especialistas em vôo livre, fosse visto como um dos melhores lugares do Paraná para a prática do esporte. “Terra Rica é a capital paranaense do vôo livre”, diz orgulhoso o pesquisador Edson Paulo Calírio.

Esportista se prepara para saltar dos Três Morrinhos (Crédito: Carlos Sica)

Esportista se prepara para saltar dos Três Morrinhos (Crédito: Carlos Sica)

 

Outro motivo de orgulho para os 15 mil habitantes de Terra Rica é o fato de nunca ter acontecido nenhuma fatalidade durante um campeonato ou curso de vôo livre. “Já tivemos alguns acidentes, mas nada realmente grave. Quem vem pra cá é profissional. Além disso, temos instrutores muito bem preparados”, finaliza Calírio.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Já está na minha agenda há anos dar um pulo ou de parapente ou de asa delta desse lindo morro. Ele realmente nos hipnotiza. É demais! Lembrando que o Gralha Azul homenageia os Três Morrinhos com a música “Moema – a Lenda dos TRês Morrinhos” de autoria de PC.

    Amauri Martineli

    março 3, 2009 at 4:54 am

  2. falar de Terra Rica para mim é um orgulho, eu que vivi toda a minha infância nesta querida e maravilhosa ciadade, subi várias vezes neste morro dos
    três irmãos, para rezar na igrejinha que foi construída pela população e pelo grande pároco Pe, Eduardo Roque Bassil.

    Um grande abraço

    Olivério Neri Cerqueira

    Olivério Neri Cerqueira

    setembro 10, 2009 at 6:01 pm

  3. hoje vivo em Campo Largo. Região metropolitana de curitiba. Mas a sauadade desta cidade é gigantesca

    Olivério Neri Cerqueira

    setembro 10, 2009 at 6:04 pm

  4. Olá, meu nome é Aline e após ler os resultados desta pesquisa me interessei ainda mais pela história de três morrinhos, pretendo visitar o lugar daqui 2 semanas e gostei de saber que este local guarda rocha matriz do arenito Caiuá, gostaria de saber se nele também podemos encontrar minerais, como por exemplo Quartzo e outros.
    Se você poder por favor me responda gostaria muito de saber.
    E muito obrigada por não só a atenção, mas também por nos contar um pouco a mais sobre a historia do estado do paraná!!!

    Aline Albuquerque

    dezembro 6, 2010 at 11:54 pm

  5. Já visitei os Três Morrinhos por três vezes, e sem dúvida éum lugar muito interessante, cheio de coisas interessantes para se estudar, especialmente no curso de Geografia, que foi o que estudei. Recomendo excursões para este lugar no entanto acho necessária a retificação de uma informação, a de que esta formação rochosa teria 5 mil anos. Os arenitos dessa região pelo pouco conhecimento que tenho de geologia, são de milhões de anos, mais especificamente da Era Mesozòica, quando uma imensa região do Sul do Brasil e de países vizinhos foi dominada por clima árido e os ventos predominantes iam amontoando dunas de areia; hoje originaram o arenito que é uma rocha sedimentar e se pode visualizar am camadinhas de areia depositadas pelo trabalho dos ventos aolongo de milhares e milhares de anos.

    Eder Tomasella

    novembro 4, 2011 at 11:25 pm


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 635 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: